twitter
facebook
linkedin
rss
06 / ago 2019

UMA PREMIAÇÃO INSENSATA

O presidente Jair Bolsonaro, antes de submeter o nome de seu filho Eduardo Bolsonaro à aprovação do Senado, formulou pedido diplomático ao governo dos Estados Unidos para que o “garoto” assuma a representação brasileira naquele país.

Conforme ponderou o ex-embaixador Rubens Ricupero, na prática, Eduardo já atua como “chanceler informal”, estando agora em condições de assumir o cargo diplomático, embora esse desempenho deva ser institucionalizado – e não personalizado.

As principais democracias do mundo primam-se em indicar diplomatas de carreira e experientes para as embaixadas de maior vulto.

A amizade de Eduardo com os filhos de Donald Trump serviu de justificativa para o presidente na sua nomeação. O posto mais importante do Itamaraty não pode ficar à mercê desse relacionamento, o que importaria em conferir à indicação um tratamento doméstico, incompatível com a seriedade que deva prevalecer em tais procedimentos.

A representação brasileira nos Estados Unidos foi inaugurada com Joaquim Nabuco e sempre contou com nomes de reconhecido valor, a exemplo de Oswaldo Aranha, Roberto Campos, Rubens Barbosa e dos mineiros Walther Moreira Salles e Paulo Tarso Flecha de Lima.

A tradição da Casa de Rio Branco não condescende com o critério instituído pelo atual presidente, que importa em conferir ao filhotismo credenciais que não ostenta. O fato de Eduardo conhecer bem os Estados Unidos e saber se expressar em inglês, também não constituem dados suficientes para o seu credenciamento.

Conforme anotou o colunista Ancelmo Gois, no jornal “O Globo”, Tancredo Neves, ante a solicitação de um cargo a ser ocupado por um correligionário que falava inglês, não reputou esse dado como valioso para a vaga existente, respondendo ao seu interlocutor: “Ora, meu caro, o porteiro do Copacabana Palace também fala inglês”.

A esta altura, já se cogita da nomeação de um filho de Trump para ser embaixador no Brasil, o que nos leva a admitir que ambas as nomeações importariam em reciprocidade de favores.

Inobstante as ponderações surgidas quanto ao descabimento da proposta, esta deverá vingar, embora o presidente da Câmara Alta não a considere como factível. O líder do governo, senador Fernando Bezerra, considera a aprovação como certa. Para que isto aconteça será necessário que o candidato obtenha maioria simples tanto na Comissão de Relações Exteriores (10 dos 19), como no Plenário do Senado (41 dos 81).

Mesmo admitindo que a sugestão não sofra o veto do STF, consistindo em mais uma demonstração do jeito de ser e de governar de Jair Bolsonaro, o ineditismo da indicação de seu filho deverá ser pesado no processo de avaliação. A não ser que se pretenda admitir que os interesses familiares possam se sobrepor aos do Estado, o que importará num sério e grave precedente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze − sete =