twitter
facebook
linkedin
rss
18 / dez 2017

A SOBREVIVÊNCIA DA DEMOCRACIA

Em recente exortação pré-eleitoral, o apenado Luiz Inácio Lula da Silva teve o desplante de afirmar: “o País só fala em corte de gastos e em corrupção. quem roubou tem que estar preso, mas as empresas não podem fechar”.

Esta é a “justificativa“ encontrada na censura feita a inatividade do Complexo Petroquímico no Rio de Janeiro, acrescentando: “Se estivesse produzindo, quanto imposto estaria sendo gerado, quantos empregos?”.

Na mesma toada, acrescentou: “se você quer diminuir em 50% a criminalidade, é só garantir emprego, salário e escola para o povo. Que você vai perceber que a violência vai diminuir no dia seguinte”.

A avaliação feita por Lula mais se assemelha a de um “cientista político”, embora a sua candidatura em 2002 houvesse sido financiada pelo ditador líbio, Muammar al-Gaddafi em US$1 milhão, conforme denunciado pelo seu antigo parceiro Antonio Palocci.

Em se tratando de ajuda recebida do exterior, tal a gravidade de que se reveste, seria bastante para que o TSE cancelasse o registro do Partido dos Trabalhadores, conforme admitiu o ex-presidente do STF, ministro Carlos Ayres Britto, que no passado era integrante da falange petista.

Assim, enquanto Lula bravateia em sua jornada emitindo mentiras caluniosas, o seu prestígio eleitoral continua de vento em popa, como se o povo brasileiro não fosse dotado da capacidade de distinguir entre o bem e o mal.

Se a nossa democracia está consolidada, se as instituições estão funcionando, como o presidente Michel Temer sustentou na última semana em Buenos Aires, não há como aceitar que possamos voltar a conviver com a rapinagem que inspirou o esquema bilionário instituído na Petrobras, já desvendado em parte pela Operação Lava Jato.

Daí a responsabilidade que temos no próximo pleito, pois, conforme afirmou Aldous Huxley: “A sobrevivência da democracia depende da habilidade de um amplo número de pessoas fazer escolhas realistas com base em informações adequadas” (“Admirável Mundo Novo”, 1932).

É a esperança das pessoas de bem.