twitter
facebook
linkedin
rss
11 / abr 2017

REPRESENTAÇÃO INFELIZ

No Brasil atual, não há um dia sequer em que a mídia deixe de noticiar fatos delituosos cometidos por políticos de todos os partidos.

No ranking mundial da corrupção, o nosso país foi relacionado pela Transparência Internacional, Ong sediada em Berlim, entre as nações mais corruptas do mundo. Isto não é de se estranhar, diante da enxurrada de escândalos envolvendo integrantes dos três poderes.

Já, no seu tempo, o Padre Antônio Vieira, nos sermões candentes, bradava contra colonizadores e governantes que escandalosamente saqueavam o território recém-explorado.

Na semana passada, o ex-presidente da Assembleia Legislativa do Mato Grosso, José Geraldo Riva, denunciou o atual ministro Blairo Maggi junto à Procuradoria-Geral, por trapaças que teria praticado quando governador daquele estado.

Embora o delator também não goze de bom conceito, já tendo sido preso pela Polícia Federal, como foi secretário de Blairo Maggi, presume-se que tivesse conhecimento do expediente adotado pela Assembleia mato-grossense.

Assim, segundo ficou consignado no inquérito, o governador Maggi repassava valores expressivos a um grupo de deputados que formava a sua base legislativa, valendo-se de licitações enganosas.

O ministro Maggi tornou-se figura proeminente no recente escândalo da carne, anunciando medidas severas contra frigoríficos que agiam em conluio com os fiscais do Ministério da Agricultura.

A sua fortuna como plantador lhe assegurou o título de “Rei da Soja”, tornando-se, ainda, conhecido como responsável pela metade da devastação ambiental brasileira, entre 2003 e 2004, segundo levantamento do Greenpeace. A gravidade do fato não impediu a sua eleição para o Senado Federal.

A partir do próximo dia 10, Maggi chefiará uma comitiva aos Emirados Árabes, Arábia Saudita e Ásia. A missão terá por finalidade recuperar a imagem da carne produzida no Brasil após a Operação Carne Fraca.

Embora a delação de que Maggi foi alvo comporte contraprova, a incumbência que desempenhará no exterior poderá suscitar dúvidas devido às suspeitas que agora vieram à tona envolvendo o seu nome.

Seria prudente que o presidente Temer avaliasse os fatos denunciados antes de designar um auxiliar, sobre quem pende suspeita, para o desempenho de uma tarefa externa.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>