twitter
facebook
linkedin
rss
07 / out 2019

UMA QUASE TRAGÉDIA NO STF

Rodrigo Janot esteve à frente da PGR de 2013 a 2017 (Foto: Sergio Lima/Poder360)

A semana que passou foi pródiga em fatos de repercussão nacional, que primaram pela extravagância e audácia de seus atores. A revelação macabra do ex-procurador-Geral, Rodrigo Janot, em razão dos seus pormenores, nos leva a questionar a sua sanidade mental durante o tempo em que esteve à frente da PGR (2013/2017).

Em maio de 2017, o país foi sacudido pela notícia da existência de uma gravação feita por Joesley Batista, que comprometia o presidente Michel Temer. Segundo aquela prova, Temer teria abonado a compra do silêncio de Eduardo Cunha e Lúcio Funaro.

A repercussão do fato foi de tal ordem que afetou a aprovação da reforma da Previdência, que já estava em fase adiantada. Assim, tão logo conhecido o conteúdo da gravação, nenhum dado concreto foi encontrado que confirmasse a atoarda de Rodrigo Janot.

(mais…)

01 / out 2019

A DEFESA DO FUNDAMENTALISMO

A fala do presidente Jair Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU só surpreendeu aqueles que não acompanham as suas bravatas, fosse antes como depois de sua posse. Guarda, pois, flagrante coerência com a sua maneira de ser, que ele pretende conservar, esquecido de que se encontra hoje no cume de uma Nação que deve satisfações à opinião pública mundial.

Somente saíram frustrados os que supunham que Bolsonaro proferisse uma oração conciliadora e fosse capaz de estender a mão aos que divergem de sua postura arrogante.

Falando aos jornalistas, quando já se encontrava no hotel, avaliou o seu pronunciamento, sustentando: “Tínhamos que ser contundentes, mas não agressivos”. Mas não foi isso que o mundo viu e ouviu. Ao invés de mostrar que o seu governo estaria voltado para as grandes causas, optou pelo ataque sistemático à mídia internacional, reincidindo na crítica ao socialismo, além de renitir na sua obstinada censura às ditaduras de Cuba e Venezuela.

(mais…)

20 / set 2019

A ETERNA VIGILÂNCIA QUE DEVEMOS EXERCER

Os Estados Unidos, nação mais poderosa do mundo, começa a movimentar-se na tentativa de corrigir o erro cometido em 2016, quando elegeu um candidato sem nenhuma experiência em cargos públicos e alheio aos direitos constitucionais definidos na histórica Convenção de Filadélfia.

A esta altura, só se sabe que o cidadão surpreendentemente eleito empenha-se em permanecer no poder, sem abdicar do autoritarismo materializado na construção do muro divisório com o México e no obstinado expurgo dos imigrantes.

De parte dos democratas, há mais de uma dezena de pretendentes à Casa Branca, sem que haja um nome capaz de galvanizar a simpatia dos eleitores em condições de rivalizar com o atual mandatário, impedindo-o de prosseguir com suas bravatas que colocam em risco não só a hegemonia do país, como a paz mundial.

(mais…)

16 / set 2019

A DEMOCRACIA RENEGADA

A figura do deputado Eduardo Bolsonaro visitando o pai no hospital, portando e ostentando na cintura uma arma de fogo, é a imagem mais deprimente da cultura da violência que infesta o nosso País.

Para um candidato à nossa embaixada em Washington, a exibição de sua valentia demonstra apenas temperamento arrojado, disposto a repelir eventual ataque ao presidente convalescente.

Não bastasse essa temerária exibição, o seu irmão Carlos, vereador no Rio de Janeiro, tido como responsável pela estratégia do pai nas redes sociais, adiantou que: “Por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos… e se isso acontecer”.

(mais…)

09 / set 2019

UM ENCONTRO FAMILIAR

A recente ida de Ernesto Araújo a Washington, acolitando o deputado federal Eduardo Bolsonaro para uma reunião com o presidente Donald Trump, além de inusitada quanto à sua realização, serviu para demonstrar a existência de uma “relação diferenciada” entre Estados Unidos e Brasil.

Foi esta a definição que o chanceler conferiu ao encontro, na tentativa de convencer a opinião pública mundial de que o relacionamento mantido entre os dois países supera qualquer outra ligação que Trump conserve com as grandes potências.

Jair Bolsonaro, desde que resolveu fazer de seu “garoto” embaixador do Brasil em Washington, empenhou-se em demonstrar que a indicação decorreu, sobretudo, da convivência existente entre o indicado e a família do mandatário estadunidense.

(mais…)

06 / set 2019

OMISSÃO COMPROMETEDORA

Um obsceno projeto que amplia em 85% o valor do Fundo Eleitoral foi votado no Congresso. Mais uma vez, o dinheiro público foi desviado para suprir a campanha, agora incluindo candidatos que disputarão os cargos de prefeito, vice-prefeito e vereador, em mais de cinco mil municípios brasileiros.

A proposta, incluída na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), importará num salto inescrupuloso, elevando de R$ 2 bilhões para R$ 3,7 bilhões a investida.

Para melhor compreensão do assalto perpetrado no Congresso – sem distinção de partidos e ideologias –, basta compará-lo aos 12% do que é destinado ao Bolsa Família no atendimento a 14 milhões de brasileiros. O programa Mais Médicos, que atinge mais de 60 milhões de pessoas, que era de R$ 1,33 bilhão até o final de junho passado, equivale a um terço do que foi arrebatado pelo Legislativo dos cofres públicos.

(mais…)

05 / set 2019

UMA QUEDA COMPREENSÍVEL

Recente levantamento encomendado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) ao Instituto MDA, apontou sensível queda no prestígio pessoal do presidente Jair Bolsonaro.

Embora o ministro Ricardo Salles entenda que a preservação do meio ambiente não deva corresponder à repercussão negativa das queimadas ocorridas na Amazônia, no exterior, 93,5% dos entrevistados consideram o fato como tema da maior relevância.

Já a indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixador nos Estados Unidos, foi reputada como inadequada por 72,7%, em contraposição a 21,8% dos que a consideram vantajosa para o nosso país.

(mais…)

27 / ago 2019

A PROMESSA DESCUMPRIDA

Assim que Sérgio Moro foi convidado por Jair Bolsonaro para ser o ministro da Justiça, uma das condições que estabeleceu para aceitação do cargo foi que o Coaf lhe ficasse subordinado. Como o presidente, no início do mandato, carecia de um auxiliar dotado da autoridade moral de Moro, não hesitou em atendê-lo.

Criado em 1998, como órgão de inteligência para investigar operações suspeitas, o Coaf recebe informações de setores que, por força de Lei, são posteriormente encaminhadas ao Ministério Público e à Polícia Federal.

Com o passar dos dias, aquele órgão deparou com movimentações financeiras atípicas de Fabrício Queiroz, assessor de Flávio Bolsonaro, então deputado estadual do Rio de Janeiro.

(mais…)

26 / ago 2019

UMA INDICAÇÃO INSUSTENTÁVEL

Desde que foi anunciada a indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixador em Washington, surgiram medidas junto ao Judiciário destinadas a barrar a pretensão do Planalto.

O deputado Jorge Solla (PT-BA) ingressou com ação na Justiça Federal, na Bahia, pleiteando, a “imediata inibição do ato” de indicação que violava “todos os mandamentos constitucionais referentes à impessoalidade e à moralidade”. O juiz do feito concedeu cinco dias ao presidente e ao seu filho para que se manifestassem sobre a ação proposta.

O Partido Cidadania pleiteou junto ao STF que fosse sustado o processo de indicação do novo embaixador, devido à sua “patente inexperiência e ausência de qualificação profissional”. O relator, ministro Ricardo Lewandowski, recusou a medida somente por entender que o partido autor não era parte legítima para postular, em nome próprio, a defesa de interesses “difusos” da população brasileira, sem entrar no mérito da questão.

(mais…)

20 / ago 2019

A INTOLERÂNCIA PERMANENTE

Em recente pronunciamento, o presidente Jair Bolsonaro gabou-se de haver assinado medida provisória permitindo que as empresas de capital aberto publiquem seus balanços no site da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) ou no Diário Oficial, a custo zero, deixando de divulgá-los nos jornais, como vem ocorrendo.  

A justificativa sustentada para esta medida consiste no seu propósito em fazer com que “a imprensa venda a verdade para o povo brasileiro e não faça política partidária, como vêm fazendo alguns órgãos”.  Segundo o mandatário, a medida implantada é uma “retribuição” às ações da mídia que o “esculachava” e o chamava de “fascista”.

O discurso rancoroso, ao invés de conter uma proposta legítima, converteu-se em evidente ato de retaliação. O jornal “Valor Econômico”, pertencente ao Grupo Globo, devido à sua especialidade, foi o mais atingido pela iniciativa presidencial em mais de 40% de sua receita.

(mais…)