twitter
facebook
linkedin
rss
18 / ago 2017

A DESCRENÇA E SEUS EFEITOS

Recente pesquisa do Instituto Ipsos confirmou estudos anteriores, realizados por outros órgãos similares, de que o eleitorado não se sente representado pelos legisladores que escolheu nas últimas eleições.

Nas entrevistas feitas em 72 municípios, a onda de negativismo tornou-se ainda maior, atingindo a expressiva taxa de 47% dos que não aceitam a democracia como sendo o melhor regime; enquanto 74% manifestaram-se contra o voto obrigatório.

O descrédito do Congresso concorreu para que a maioria de 94% se recuse a admitir que os políticos detentores de mandatos exerçam esta atividade em nome do povo, contrariando a regra constitucional (art. 1º, § único) pela qual esta representação é exercida por aqueles a quem foi outorgado mandato parlamentar. (mais…)

04 / ago 2017

UM GOLPE DE MESTRE

A primeira-ministra alemã Ângela Merkel (Foto: veja.com/AP)

Desde 2001, a Alemanha permitia que casais do mesmo sexo pudessem registrar suas parcerias civis, concedendo-lhes alguns benefícios, mas nem todos que são assegurados aos heterossexuais.

A recente aprovação da lei que permitirá aos homossexuais adotar crianças, igualando-se aos alemães em direitos que já prevaleciam em outras nações, como França e Espanha, ganhou maior destaque em razão das eleições previstas para setembro vindouro.

A resistência a essa conquista liberal por parte da União Democrática Cristã (CDU), não empanou os festejos comemorativos. (mais…)

02 / ago 2017

A EXPECTATIVA ACALENTADA

A soberania do Reino Unido sobre a cidade de Hong Kong deixou de existir após 156 anos de colonialismo. Tratava-se da volta daquele importante porto ao controle da China.

O acontecimento teve repercussão mundial, contando com a presença do príncipe Charles, apresentações musicais, desfiles militares e outras promoções destinadas a desanuviar o ambiente melancólico criado pela saída dos ingleses.

De parte da população local havia natural expectativa quanto às transformações futuras, antevendo o descompasso que poderia existir com o término de um governo liberal e as restrições que viessem a ser impostas pelo que o sucedeu. (mais…)

31 / jul 2017

SÓ O RESULTADO E NADA MAIS

Na atividade política, na composição de interesses pessoais e partidários, não há limites, nem posturas congruentes. O que importa é o resultado. São relevantes os fins empregados, desde que justifiquem os meios postos em prática.

Na mixórdia sucessória inaugurada com o obstinado propósito de Rodrigo Janot em afastar Temer da presidência, surgiram especulações jamais concebidas se o Brasil não houvesse sido acometido por esse aniquilamento moral que se alastra por toda a Federação.

O advento de Rodrigo Maia à presidência, embora admitido como uma panaceia, ficaria na dependência de um espaço para os partidos de esquerda (PT, PC do B e PDT), que já estão participando das articulações em curso no Planalto. (mais…)

14 / jul 2017

MACRI: UMA NOVA LIDERANÇA REGIONAL

Mauricio Macri se torna líder em ascensão no exterior (Foto: Rodrigo Garrido/Reuters)

Ante as incertezas que tornaram o Brasil um país indefinido, o presidente Mauricio Macri cresce a cada dia, inobstante as greves e piquetes que enfrenta no plano interno.

O dirigente argentino assumiu a presidência do G20 na tumultuada reunião de Hamburgo, sendo festejado pelos participantes do evento, enquanto Temer foi conservado à margem das conversações, prestando-se somente a aparecer na fotografia oficial em posição de menor destaque.

A partir de sua posse, em 2015, Mauricio Macri recebeu governantes de peso, como Barack Obama, François Hollande, Justin Trudeau e Angela Merkel. (mais…)

10 / jul 2017

A ESPERANÇA DE VACCARI

Repercutiu nas hostes petistas a reforma imposta pelo Tribunal Federal da 4ª Região à decisão do juiz Sérgio Moro, reputando insuficientes as delações com que justificou a condenação do ex-tesoureiro, João Vaccari Neto.

Com a notícia da absolvição ficou a impressão de que, doravante, as decisões daquele magistrado tornar-se-ão passíveis de reforma, refletindo negativamente na atuação da Lava Jato.

Das 43 condenações emitidas por Moro e submetidas àquela Corte, somente 5 foram reformadas com remissão dos imputados. Esta presunção importa em um equívoco. As penas cominadas tiveram como respaldo outros fatores – que não somente as delações – como depoimentos, troca de informações e movimentações financeiras obtidas no exterior. (mais…)

04 / jul 2017

A VAIDADE DESTEMPERADA

Com os poderes que lhe foram concedidos pela Carta de 1988, o Ministério Público Federal assumiu a posição de guardião da sociedade, não estando sequer limitado às regras da Constituição. Daí a arrogância de seu atual chefe, tangido por uma vaidade que desborda do razoável e, até mesmo, do bom senso.

Esse comportamento atingiu o auge a partir do acordo megacriminoso que beneficiou um amigo de Lula, mediante empréstimo alegórico obtido junto ao BNDES.

Em troca desse “compromisso”, o farsante saiu da delação como herói, e um dos delatados, o Presidente da República, foi incriminado pela Procuradoria, cujo titular é declaradamente seu inimigo pessoal. (mais…)

30 / jun 2017

DÍVIDAS A PAGAR

O apoio que Lula concedeu aos países africanos tinha duas finalidades: fortalecer projetos de empresas nacionais naquele continente e obter o voto das nações contempladas na indicação do Brasil para um lugar no Conselho Permanente de Segurança da ONU.

Toda a ajuda financeira, simulada em empréstimos, partiu do BNDES.

Em 2016, conseguimos renegociar dívidas das décadas de 1970 e 1980 de que eram credoras empreiteiras que atuavam na África, posteriormente atingidas pela operação Lava Jato.

O auxílio conferido a Moçambique, em princípio, atingiu a US$ 125 milhões destinados à construção do aeroporto de Nacala, o que ficou a cargo da Odebrecht em 2014. Na época, contava com o aval do Fundo de Garantia à Exportação, administrado pelo Tesouro Nacional. (mais…)

26 / jun 2017

A SALVAÇÃO ESPERADA

Na recente posse da nova diretoria do PT, Lula se gabou em ser o único brasileiro em condições de livrar o País das tormentas por que vem passando. Seria ele, pois, o candidato ungido por forças superiores a debelar a crise atual: “Se o PT deixar, serei candidato para voltar a ver uma sociedade mais igual”.

Sem se referir aos cinco inquéritos a que responde, o êxito de sua proposta não dependeria da aprovação de seu nome pela Executiva do partido. Mas, sim, da Justiça eleitoral, que poderá torná-lo inelegível, ante o desfecho daqueles processos, aplicando-lhe a Lei da Ficha Limpa.

No entendimento do líder trabalhista, o seu retorno ao Palácio do Planalto não será difícil, nem afetado pela crise econômica herdada do governo Dilma, pois, “a melhor experiência de governança neste País foi do PT”, ao passo que a situação de 14 milhões de desempregados não passa de um “fato alternativo”. (mais…)

26 / jun 2017

O GIGANTE HELMUT KOHL

Os sobressaltos que Helmut Kohl enfrentou em sua trajetória política, as desavenças que teve com os filhos, somados a outras discórdias domésticas, não lhe retirarão o mérito que a Alemanha lhe deve pela tarefa cumprida na reunificação do país.

Mesmo havendo dissentido de Angela Merkel, sua protegida política, esta, ao tomar conhecimento da perda de seu líder, reconheceu que Kohl “permanecerá em nossa memória como um grande europeu, o chanceler da união do país”.

Helmut Kohl encarou a Europa como sendo uma tarefa alemã. Tendo sido acusado por Merkel de haver recebido dinheiro para financiar o partido, mesmo agastado com o episódio, negou-se a delatar a origem desse financiamento. (mais…)