twitter
facebook
linkedin
rss
17 / ago 2018

AS CONSEQUÊNCIAS DE UMA GUERRA COMERCIAL

A crescente tensão comercial entre os Estados Unidos e a República Popular da China, cuja origem está nos permanentes ataques cometidos pelo governo Trump, é um fato que pode ter graves consequências econômicas a nível global.

Para alguns especialistas, como Paul Krugman, trata-se de um “conflito notadamente estúpido”, produto da ignorância da atual administração norte-americana. A sua razão está no projeto do atual secretário de Defesa daquele pais, denominado de “estratégia nacional de Defesa dos Estados Unidos da América 2018”, que consiste em afirmar que a nação se encontra competindo estrategicamente com a China.

Esse país está empenhado em cumprir sua meta de converter-se em “sociedade moderada próspera” em 2021 e numa nação “plenamente desenvolvida e avançada” em 2049. Para que isto aconteça, será necessário superar o modelo de exportações baseado na mão de obra barata, tornando-se um modelo econômico necessariamente amparado num sólido avanço tecnológico.

Trata-se de um processo que está em marcha, o qual, de acordo com estudos recentes, demonstra o fato de que atualmente a China já investe mais em investigação e desenvolvimento, do que toda a União Europeia em seu conjunto.

Daí ser possível que, já em 2020, supere o gasto realizado pelos Estados Unidos nessa mesma área. Neste contexto, torna-se lógico que os Estados Unidos venham a utilizar a guerra comercial como um mecanismo capaz de, pelo menos, retardar o progresso da China.

Com efeito, a disputa que agora é elevada não se circunscreve ao plano comercial, constituindo um instrumento da atual potência dominante destinado a assegurar a sua deteriorada hegemonia econômica e militar.