twitter
facebook
linkedin
rss
13 / jun 2011

AFRONTA À MEMÓRIA NACIONAL

O presidente José Sarney determinou a retirada do painel existente no Senado, que continha fotos panorâmicas de manifestantes nas ruas pedindo a saída do ex-presidente Collor.

Ao adotar essa providência, o senador maranhense ofereceu a justificativa de que a queda de seu correligionário “foi apenas um acidente que não deveria ter acontecido na história do Brasil. Mas não é tão marcante como foram os fatos que aqui estão contados, que foram os que construíram a história, não os de que de certo modo não deveriam ter acontecido”.

Como era de se esperar, a “explicação” dada por Sarney repercutiu negativamente, surpreendendo a todos com a sua discordância do afastamento de Collor, somente agora passados dezenove anos de seu declínio.

Ao contrário do que afirmou no ato de reinauguração da galeria, a saída de Collor não resultou de um “acidente”, mas sim de um processo que tramitou no Congresso, obedecendo aos trâmites legais. A sessão em que foi votado o seu afastamento foi transmitida ao vivo pela televisão, teve repercussão mundial e o resultado foi por um número de votos muito superior ao mínimo necessário.

Os presidentes da ABI, Barbosa Lima Sobrinho, e da OAB federal, Marcelo Lavenere Machado, foram os autores da ação que foi levada ao Congresso por uma multidão envergonhada com o comportamento de Collor, que ascendeu ao poder como o “caçador de marajás”.

Como assistente do procurador-geral da República, Aristides Junqueira, atuou o advogado criminalista e ex-ministro do STF, Evandro Lins e Silva. Dentro dessa atmosfera foi que Fernando Collor veio a ser apeado do poder, em 29 de dezembro de 1993, após quase três anos de mandato.

O Senado Federal, que Sarney presidiu em diversas legislaturas, condenou Collor por crime de responsabilidade e o impediu de exercer as funções políticas por oito anos. A absolvição que obteve foi somente no STF, ficando limitada ao crime de corrupção passiva.

Se Sarney, por um suposto lapso de memória esqueceu-se desses fatos, ou preferiu agora reputá-los inexpressivos, o mesmo não ocorreu de parte dos brasileiros, que ainda guardam a imagem de Collor na Casa da Dinda, praticando esportes, acompanhado do falecido PC Farias, Renan Calheiros, Zélia Cardoso de Melo e de outros sectários que o aplaudiam ao longo de sua trepidante carreira política.

No momento, Collor está no Senado, solidário tanto com Sarney como com a presidente Dilma Rousseff. E, por motivos óbvios, certamente deseja que o seu passado não seja revivido, mormente nas paredes do mesmo Senado onde perdeu o mandato.

O senador Sarney, recobrando a memória, resolveu, então, recuar, determinando que o episódio do impedimento retornasse à galeria do “túnel do tempo”, desta vez oferecendo uma versão não menos pitoresca: “Eu não fui curador nem autor dessa exposição, mas para evitar interpretações equivocadas, acabo de determinar à sessão competente do Senado e sua administração que faça constar da devida exposição o impeachment do presidente Collor”.

Assim, o que até recentemente era um acidente, voltou a ser um fato importante da vida brasileira, por mais lamentável que fosse a conduta de seu protagonista, que, de volta ao Congresso, ainda conserva admiradores leais, como é o caso do presidente do Senado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − 6 =